Mapeando o braço da Guitarra - Dicas, Aprenda Como fazer, Tutorial e Livros.

Tutomania - Dicas, Aprenda Como fazer, Tutorial...

Login:
Senha:
Salvar |  Cadastre-se

 

Home | Arquivo | Envio | Jogos Online | Política de Privacidade | Contato

NAVEGAÇÃO

«« Anterior Próximo »»

LINKS PATROCINADOS

ACESSO RÁPIDO

  Todos os Destaques
  Os Mais Acessados
  Ultimos enviados
  Jogos
  Enviar um Artigo

CATEGORIAS

  Animais (528)
  Arte e Cultura (2371)
  Casa e Propriedade (148)
  Ciência e Tecnologia (1070)
  Comércio (46)
  Concursos (93)
  Conhecimentos Gerais (949)
  Culinária e Gastronomia (690)
  Diversos... (511)
  Economia (114)
  Eletrônicos (559)
  Esportes (104)
  Fotografia (58)
  Games (813)
  Governo (34)
  Indústria (21)
  Informática (2222)
  Internet (267)
  Lazer / Diversão (123)
  Legislação (167)
  Multimídia (226)
  Natureza (70)
  Saúde (562)
  Ser Humano e Sociedade (1001)
  TuTo GaMeS! (207)
  Utilidade Pública (105)
  Veículos e Transporte (127)


[+] Índice completo...

PENSAMENTO DA VEZ

?Eu espero passar por esta vida apenas uma vez. Portanto, se voces souberem de alguém que esteja precisando do meu carinho, ou de alguma coisa boa que eu possa fazer para o meu próximo, me avisem imediatamente; não quero perder esta oportunidade única.?
William Penn (1644-1718)

ANUNCIOS

Arte e Cultura / Música / Instrumentos Musicais

Mapeando o braço da Guitarra

A base deste método é compreender como são formados os acordes através do conceito de intervalos e graus, e dominar padrões de oitavas e tríades; Através deste estudo, você vai sem perceber, memorizar a posição das notas. Daí a encaixar os 4 BOXES básicos de escalas - de onde sairão as maiores, menores e as pentatônicas - será bem simples.


DOCUMENTO:


ESTATÍSTICAS:

Comentários: 0 (Comentar)
Nota: (Dar Nota)
Valor: 10 crédito(s)
Enviado por: felipevbl (5)
Publicado em: 18/11/05 23:23hs.

LINKS PATROCINADOS:

DOCUMENTO:

 

MAPEANDO O BRAÇO - OITAVAS E TRÍADES

 

 É possível conhecer todas as notas no braço do instrumento sem decorá-las, no sentido direto da palavra. É óbvio que, sem memorização, você não vai identificar as notas - sem usar pelo menos um pouquinho da memória, não saberíamos nem mesmo o nosso próprio nome.

A base deste método é compreender como são formados os acordes através do conceito de intervalos e graus, e dominar padrões de oitavas e tríades; Através deste estudo, você vai sem perceber, memorizar a posição das notas. Daí a encaixar os 4 BOXES básicos de escalas - de onde sairão as maiores, menores e as pentatônicas - será bem simples.

Oitavas

A oitava é a nota que está distante um intervalo de 12 e 1/2 tons da nota em questão - por coincidência, é a mesma nota, só que mais aguda ou mais grave. Como todos os conceitos baseados em INTERVALOS, pode-se desenhar um padrão no braço do instrumento, e ele pode ser transportado para qualquer tom, somente movendo este padrão acima ou abaixo no braço. Vejamos na prática: pegue uma nota qualquer, uma única nota no braço todo - o Fá (F), por exemplo (não se esqueça: do 12º traste para a frente tudo se repete...).


  0    1    2    3    4    5    6    7    8    9   10   11   12    13
e||-F--|----|----|----|----|----|----|----|----|----|----|----|-F--|
B||----|----|----|----|----|-F--|----|----|----|----|----|----|----|
G||----|----|----|----|----|----|----|----|----|-F--|----|----|----|
D||----|----|-F--|----|----|----|----|----|----|----|----|----|----|
A||----|----|----|----|----|----|----|-F--|----|----|----|----|----|
E||-F--|----|----|----|----|----|----|----|----|----|----|----|-F--|


Deste gráfico acima, podemos tirar PADRÕES de oitavas, válidos para QUALQUER nota, em QUALQUER lugar do braço.

[padrão 1] - (1)válido para 6a. corda.


e||---|---|-8-|---|---|
B||---|---|---|---|---|
D||---|---|---|---|---|
G||---|---|---|---|---|
A||---|---|---|---|---|
E||---|---|-1-|---|---|


[padrão 2] - (1)válido para 6a. e 5a. cordas.


e||---|---|---|---|---|
B||---|---|---|---|---|
D||---|---|---|---|---|
G||---|---|---|-8-|---|
A||---|---|---|---|---|
E||---|-1-|---|---|---|


[padrão 3] - (1)válido para 4a. e 3a. cordas.


e||---|---|---|---|-8-|
B||---|---|---|---|---|
D||---|-1-|---|---|---|
G||---|---|---|---|---|
A||---|---|---|---|---|
E||---|---|---|---|---|


[padrão 4] - (1)válido para 6a. corda.

 
e||---|---|---|---|---|
B||---|---|---|---|---|
D||---|-8-|---|---|---|
G||---|---|---|---|---|
A||---|---|---|---|---|
E||---|---|---|---|-1-|


[padrão 5] - (1)válido para 5a. e 4a. cordas.


e||---|-8-|---|---|---|
B||---|---|---|---|---|
D||---|---|---|---|---|
G||---|---|---|-1-|---|
A||---|---|---|---|---|
E||---|---|---|---|---|


Você DEVE MEMORIZAR estes 5 padrões. Por quê? Lembre-se que o braço é dividido em duas partes iguais: após o 12o. traste, tudo se repete. Suponha que você saiba as notas da 6a. corda até o 12o. traste. Se você dominar os padrões de oitavas, você será capaz de identificar TODAS as notas no braço.

Outra vantagem das oitavas é transportar "licks" (frases) de um lado para o outro do braço com rapidez, através da visualização dos padrões - isto é muito utilizado por bandas, como por exemplo "still loving you" - scorpions: os 2 licks distorcidos da introdução são o mesmo: o 2o. é tocado uma oitava acima do primeiro.

O conceito também é válido para os baixistas: é muito comum utilizar-se oitavas como forma de "preencher" as lacunas ou ritmar uma melodia onde a mesma nota é tocada por vários compassos. Preste atenção em linhas de contrabaixo usadas em samba, pagode e surf music, por exemplo, seguem sempre esse padrão.

Treine randomicamente: escolha uma nota qualquer no braço, e tente achar pelo menos 2 oitavas desta nota. Faça isso com o máximo de notas possíveis, por toda a extensão do braço - inclusive, usando as cordas soltas. Pratique bastante, e logo você estará memorizando todos os padrões. SOMENTE quando isto acontecer, siga adiante com este artigo.

Tríades
As tríades são acordes formados por três notas, determinadas, em cada caso, por sua posição relativa a intervalos na escala, de acordo com seus graus. Vamos traduzir com um exemplo. Tomemos a escala de Dó maior (C).


C    D    E    F    G    A    B    C
I    II   III  IV   V    VI   VII  VIII


Temos acima as notas e os graus. Isto deve ser conhecido a este ponto. Não é necessário decorar, apenas compreendê-los.

Tríades Maiores
Vamos nos basear na escala acima e extrair a tríade maior. As tríades maiores são as formadoras dos acordes maiores, logo, a fórmula para obtermos as tríades maiores só poderia ser: Tônica, 3ª e 5ª, ou I, III, V.

No caso de C = C (I), E (III) e G (V). Vejamos no braço:

 
  0   1   2   3   4
e||---|---|---|---| = E
B||-x-|---|---|---| = C
G||---|---|---|---| = G
D||---|-x-|---|---| = E
A||---|---|-x-|---| = C
E||---|---|---|---| = (normalmente não é tocada, para manter a tônica mais grave)


Temos o acorde de C (dó maior) no braço e do lado direito, as notas.

Vejamos outro exemplo. Vamos para o de D (ré maior).


D    E    F#    G    A    B    C#    D
I    II   III   IV   V    VI   VII   VIII


Nossa tríade maior seria: D (I), F# (III) e A (V). Vamos conferir.

 
  0   1   2   3   4
e||---|-x-|---|---| = F#
B||---|---|-x-|---| = D
G||---|-x-|---|---| = A
D||---|---|---|---| = D
A||---|---|---|---| = x(muda)
E||---|---|---|---| = x(muda)


Pronto, com apenas três notas, temos os acordes. Agora que entendemos as tríades maiores, vamos tentar PADRONIZAR GRAFICAMENTE.

Vamos trabalhar, por exemplo, com um acorde que você deve costumar conhecer através da pestana: o acorde de F (Fá maior). Vamos a escala.


F    G    A    Bb    C    D    E    F
I    II   III  IV    V    VI   VII  VIII


A tríade seria F - A - C. Vamos localizar no braço a posição relativa das três notas.

 

  0    1    2    3    4    5    6    7    8    9   10   11   12    13
e||-F--|----|----|----|-A--|----|----|-C--|----|----|----|----|-F--|
B||-C--|----|----|----|----|-F--|----|----|----|-A--|----|----|-C--|
G||----|-A--|----|----|-C--|----|----|----|----|-F--|----|----|----|
D||----|----|-F--|----|----|----|-A--|----|----|-C--|----|----|----|
A||----|----|-C--|----|----|----|----|-F--|----|----|----|-A--|----|
E||-F--|----|----|----|-A--|----|----|-C--|----|----|----|----|-F--|


Perceba que Pestana de F está assinalada nas 3 primeiras casas: na 1ª, a pestana, para prendermos ao mesmo tempo F, C, F; na 2ª casa o A, e na 3ª casa, o F, C.


Retorno a um conceito importantíssimo: todo padrão baseado em intervalo pode ser transportado acima ou abaixo do braço, desde que mantenhamos os intervalos: Se você utilizar este padrão, apenas substituindo a tônica (a nota da 6ª corda), você vai poder fazer qualquer acorde maior utilizando pestana. Veja o padrão de "pestana maior" a partir da Tônica na 6ª corda.


e||---|-1-|---|---|---|
B||---|-5-|---|---|---|
D||---|-X-|-3-|---|---|
G||---|-X-|---|-1-|---|
A||---|-X-|---|-5-|---|
E||---|-1-|---|---|---|


Aliás, do padrão acima tira-se o que guitarristas chamam de "Power Chords" (ou power acordes) - que são o uso da Tônica mais a 5ª, como I - V - I ou somente I - V. Voltando a tríade. Para agruparmos as 3 notas (em 3 cordas adjacentes), teríamos o seguinte padrão.


e||---|---|---|---|---|
B||---|-5-|---|---|---|
D||---|---|-3-|---|---|
G||---|---|---|-1-|---|
A||---|---|---|---|---|
E||---|---|---|---|---|


Mas o gráfico não evidencia somente isto; observe nas casas 5 e 6. Não conhece a "forma" desta tríade? Sim, é a forma do D (Ré maior), só que em outro lugar. Se você tocá-lo na 5ª casa, vai obter um F. É isso mesmo, confira as notas: C - F - A. A isto chama-se inversão de acorde (porque as notas não aparecem na mesma ordem da escala), muito conhecida de pianistas, que utilizam os acordes invertidos pela disposição das notas no teclado. Este tipo de acorde é muito utilizado para acompanhar teclados, ou para substituí-los, no caso de seu grupo musical não contar com um. Tente uma experiência: enquanto uma guitarra toca o acorde tradicional, na pestana, ligeiramente "Overdrive", mande uma tríade numa guitarra limpa, ou adicionada de chorus (que enfatiza mais ainda a proximidade sonora do teclado). Você está começando a diversificar sua gama de timbres.

Vamos ver o padrão.


e||---|-3-|---|---|---|
B||---|---|-1-|---|---|
D||---|-5-|---|---|---|
G||---|---|---|---|---|
A||---|---|---|---|---|
E||---|---|---|---|---|


Outra "forma" velha conhecida: a forma do C (dó maior). Veja nas casas 6, 7, 8. Neste caso, temos somente o I e III graus, porque no caso do C, o V grau é a corda solta (G). Mas o nosso padrão de tríade, que é o que interessa, não tem a "forma" do C. Nosso padrão é o seguinte.


e||---|---|---|---|---|
B||---|---|-1-|---|---|
D||---|-5-|---|---|---|
G||---|---|---|-3-|---|
A||---|---|---|---|---|
E||---|---|---|---|---|


Outra tríade direta (na ordem que aparece na escala) pode ser observada nas casa 8 e 10.


e||---|-5-|---|---|---|
B||---|---|---|-3-|---|
D||---|---|---|-1-|---|
G||---|---|---|---|---|
A||---|---|---|---|---|
E||---|---|---|---|---|


Mais uma, invertida, no "formato" A (Lá maior) - casa 10.

 

e||---|---|---|---|---|
B||---|---|---|-3-|---|
D||---|---|---|-1-|---|
G||---|---|---|-5-|---|
A||---|---|---|---|---|
E||---|---|---|---|---|


Observe também as casas 10 - 12.


e||---|---|---|---|---|
B||---|---|---|---|---|
D||---|-1-|---|---|---|
G||---|-5-|---|---|---|
A||---|---|---|-3-|---|
E||---|---|---|---|---|


E também as casas 1 - 2.

 
e||-1-|---|---|---|---|
B||-5-|---|---|---|---|
D||---|-3-|---|---|---|
G||---|---|---|---|---|
A||---|---|---|---|---|
E||---|---|---|---|---|


Você deve se perguntar: Mas para que serve esta coisa toda? Bem, vamos a prática.

Um exemplo foi dado acima: as tríades invertidas proporcionam som semelhante ao obtido por teclados, pela sua construção na mesma sequência da escala do piano. Pode-se usar para acompanhamento ou simulação deste timbre.

Violonistas acústicos vão adorar tocar músicas substituindo as pestanas por tríades, por serem muito mais simples e muito menos cansativas do que elas, principalmente em transições constantes.

As tríades proporcionam sequências de acordes magníficas, por manterem os tons e alterarem apenas os intervalos - (Gênesis, The Who, Dire Straits e Van Halen usam e abusam de tríades, e são "apenas" 3 notinhas).

Bandas com duas guitarras ou 1 guitarra e 1 violão podem e DEVEM utilizar acordes comuns + tríades, tríades + tríades ou power acordes + tríades. Não é recomendável aquela barulhada de 12 cordas idênticas com o mesmo timbre, a menos que você esteja tocando Heavy Metal com Power Chords em oitavas diferentes ou Trash, Dark, Death, ou qualquer coisa do gênero, onde quanto mais barulho, melhor.

Como já foi dito, os padrões são transportáveis para qualquer lugar do braço, logo, se você montou uma tríade de A (Lá) e o próximo acorde é G (sol), deslize seus dedos dois trastes para trás e pronto, não mexeu nenhum dedo e o novo acorde já está FEITO!!!

As relações de graus nas tríades são úteis também em solos. Você deve estar cansado de ouvir e/ou tocar "double-stops" (pegadas c/ 2 notas de uma só vez). Elas são baseadas na relação das notas da tríade, em pares I - III, III - V ou I - V. Conhecendo as tríades, você pode enriquecer seus licks com double-stops facilmente.

Ainda falando sobre solos, licks e riffs famosíssimos foram e são construídos utilizando-se somente tríades. Ouça "Sultans of Swing" (Dire Straits) ou "Hotel California" (Eagles), e perceba que instrodução e solos são nada mais do que as tríades dos acordes das músicas com alguns "assessórios" básicos, como slides, bends, cromáticos, harmônicos... tudo simples e com um efeito sonoro agradabilíssimo. As duas composições são Clássicos nesse estilo!

Quer ver como esse método está se encaixando? Se você REALMENTE já decorou os padrões de oitava, vai achar bem simples adicionar III e V graus, que também seguem os mesmos padrões de oitava. Tente! Você nunca imaginou que poderia fazer aquele A (lá maior) da sua primeira aula de violão em tantos lugares diferentes!!!.

Você pode não estar acreditando nisto, mas acabamos de estabelecer uma coisa sensacional, a qual, após dominada, trará para você o mapeamento total do braço do instrumento, proporcionando facilidade no estudo de notas, escalas, acordes. TUDO o que for feito em cima do braço.

Estudo baseado em Bill Quinn (www.harmonycentral.com)
Roger Brotherhood - roger.brotherhood@njackn.uucp
***********************************************************


DICAS DE GRANDES MÚSICOS

 

 "Ouça muitos outros guitarristas. Ache inspiração em outros instrumentos também, isso ajuda muito. Tocar em JAMS também é uma escola maravilhosa para quem quer desenvolver um ótimo ouvido. Estude de maneira apaixonada, é a melhor forma de criar uma linguagem musical"
John Petrucci

 "Toque para o som e não para você. Deixe o ego de lado"
Michel Leme

 "Não queira tocar como ninguém, seja você mesmo.Eu não uso a palavra roubar, mas tente tomar emprestado um pouco de cada cara que ouvir tocar. Mas não tente soar exatamente igual como outro."
BB King

 "Desencante de regras e técnicas. Toque de forma natural. Vale tudo !!! "
Sandro Haick

 "Você é o que pensa ser... por isso nunca se subestime, pois ninguém é mais do que ninguém, mas pode ser cada vez melhor que si mesmo. Surpreenda-se !!!"
Darli Parisi

 "Quando estiver estudando nunca repita o que já sabe. Use essas coisas no seu dia-a-dia. Durante o tempo de estudo, procure novidades"
Faiska

 "Tenha um bom mestre"
Lanny Gordin

 "Sempre procurei fazer o que gosto, por isso, sou guitarrista. Portanto, tenha prazer quando tocar"
Frank Solari

 "Toque com o ouvido e não apenas com as mãos. Por exemplo, se você for inventar ou tirar uma frase, deve assobiá-la ou cantá-la antes. Caso contrário não vai adiantar nada. Os dedos não pensam, isso é função da cabeça!!!"
Eduardo Ardanuy

 "Ouça todos os estilos sem preconceito. Procure tirar músicas e ter aulas para tirar os vícios"
Fábio "Índio" Amaral

 "Acredite nos seus sonhos e lute por eles!"
Marcio Okayama

 "O guitarrista deve desgrudar do instrumento e estudar música. Se você tem o hábito de tocar oito horas por dia, dedique quatro para a guitarra e outras quatro para o aprendizado de música: harmonia, composição, solfejo, leitura, percepção etc..."
Pollaco

 "Grave tudo que você tocar; inclusive estudos, e você vai perceber melhor no que deve melhorar"
Steve Vai

 "Faça exercícios de digitação para aquecer as mãos antes de tocar. Tenha calma na hora de estudar, não se apresse. E procure praticar tudo com som limpo, sem distorção !!!"
Ives Passarell

 "Há duas maneiras de tocar guitarra. A primeira é pela curtição: o palco, o ensaio, o êxtase, a festa... A segunda é o estudo. Sempre falo para um aluno : 'se você toca duas horas por dia, dedique uma hora e meia para a festa e meia hora para o estudo'. Mas, durante essa meia hora, o estudante deve ter uma disciplina militar!!! ...No período do aprendizado, o erro é inadimissível. Se errar a penúltima nota de uma escala, por exemplo, o músico deve dar uma importância vital para essa falha. Precisa voltar à escala e tocá-la mais devagar até que saia perfeita. O erro serve para aprender e, por isso, durante o estudo, o aluno precisa ser chato e exigente consigo mesmo. Agora, durante a festa, ele pode errar e dar risada!!!"
Wander Taffo

 "Copie nota por nota as músicas que você gosta. Quando eu tinha dez anos, tirei de ouvido Black Magic Woman, do Santana, inteirinha. No meu caso. isso me ajudou muito!!!"
Nuno Mindelis

 "Escolha uma harmonia de uma canção que você já conheça e toque. Toque-a diversas vezes procurando ouvir os baixos. Depois disso, cante os baixos enquanto toca a melodia. Em seguida toque os baixos cantando a melodia."
Celso Brescia

 "Aprenda a tocar guitarra com prazer e paciência. Não utilize tensão em nada que você fizer. Existe um tempo para assimilar cada passo dado e esse tempo só você poderá determinar. Tente construir 'seu mundo musical' ouvindo música, procurando informações em livros, vídeo-aulas, shows, aprendendo acordes com seu 'tio' que diz tocar violão etc... Procure sempre orientação de músicos experientes. Toda forma de informação é válida, pois ela vai formar seu conteúdo musical filtrado e personalizado."
Santos
 
 
*************************************

HARMONIA

 

O INSTRUMENTO

O violão e a guitarra são instrumentos harmônico-melódicos, ou seja, eles são utilizados para executar acompanhamentos (harmonia), solos (melodias) ou ambos simultaneamente.

É importante acostumar-se com as nomenclaturas, não só do violão e da guitarra, mas da música em geral, pois elas são muito ultilizadas.

CONCEITOS BÁSICOS DE MÚSICA

RITMO- É a ordem a que obedecem os sons em valores de duração variáveis dentro do discurso musical. O ritmo é a primeira condição da música e o fator mais importante. Por exemplo: A mesma música (melodia e harmonia) pode ser executada em diferentes ritmos, o que daria características completamente distintas a cada execução.

MELODIA- É uma sucessão de sons (isolados) em alturas e valores diferentes que obedecem a um sentido lógico musical. A melodia é a identificação da música por excelência. Por exemplo: No caso da música acima, mesmo em diferentes ritmos e até com outras harmonias reconheceríamos a música por causa de sua melodia, que seria a mesma.

HARMONIA- Se colocarmos melodia sobre melodia (diferentes) obteremos um conjunto de sons que chamamos de harmonia; ela faz o acompanhamento da melodia principal na forma de acordes, que como veremos para frente, são conjuntos de três ou mais notas tocados simultaneamente.

AS NOTAS MUSICAIS

Na música chamada"ocidental", os sons foram divididos em intervalos que chamamos de semitom, onde um ouvido, mesmo destreinado, consegue reconhecer a diferença de altura entre uma nota e outra. Com esta divisão surgiram 12 sons. Destes 12 sons, 7 notas receberam nomes diferentes e as outras 5 estes mesmos nomes acrescentados de sinais, que chamamos de acidentes. as 7 notas são:


DÓ - RÉ - MI - FÁ - SOL - LÁ - SI

Antes de falarmos dos acidentes temos que ver os conceitos de tom e semi - tom.

SEMITOM é o menor intervalo (altura) entre duas notas musicais. No violão eqüivale a ir de uma casa a outra no braço.

 


TOM- é o intervalo equivalente à soma de dois semitons. No violão deve-se pular uma casa entre uma nota e outra.

 


 

Vejamos então os acidentes:

b BEMOL - Baixa a altura da nota em um semitom.

bb DOBRADO BEMOL - Baixa a altura da nota em

# SUSTENIDO - Eleva a altura da nota em um semitom.

## DOBRADO SUSTENIDO - Eleva a altura da nota em

Exemplo: A nota ré elevada em um semitom chama-se ré sustenido. A mesma nota ré diminuída em um semitom chama-se rébemol. O dobrado bemol e dobrado sustenido são raramente usados.

No esquema a seguir temos o quadro completo dos 12 sons. Note que por exemplo, no semitom entre o dó e o ré temos o sustenido e ré bemol. Quando a mesma nota possui nomes diferentes e a mesma altura damos o nome de nota enharmônica.

Os 12 sons:

C C# D D# E F F# G G# A A# B
 Db  Eb   Gb  Ab  Bb 
           


NOTAS NO VIOLÃO/GUITARRA

Em ambos contamos as seis cordas de baixo para cima, ou seja, a primeira corda é a mais fina e a sexta corda a mais grossa.

Cada uma das cordas é uma nota, a saber:

1- corda - MI

2- corda - SI

3- corda - SOL

4- corda - RÉ

5- corda - LÁ

6- corda - MI

Para saber as outras notas deve-se ir andando em semitons ou tons. Por exemplo: A primeira corda solta é a nota mi. Se tocarmos a nota da primeira casa, teremos andado um semitom encontrando a nota fá. Se andarmos agora um tom, tocaremos a nota da terceira casa e acharemos o sol. Mais um tom e teremos o lá, e assim por diante. O esquema é igual para todas as cordas.

Para facilitar temos abaixo a disposição de tons e semitons das 7 notas naturais, que formam o que chamamos de escala maior. Veremos escala com mais detalhes adiante.

DO RE MI FA SOL LA SI DO

Tom Tom Semi Tom Tom Tom Semi

tom tom

POSIÇÃO DAS MÃOS

A mão esquerda deve se colocar de maneira que o polegar fique no meio do braço dando apoio aos demais dedos. Estes quando tocam as notas, devem fazê-lo apertando as cordas um pouco antes dos trastes e não devem se distanciar muito do braço do instrumento. Para efeito de exercícios chamaremos os dedos da mão esquerda por números: indicador 1, médio 2, anular 3, mindinho 4.

A mão direita deve ficar "solta" sobre as cordas, com o antebraço relaxado. Chamaremos os dedos de :

p - polegar, i - indicador, m - médio, e a- anular. Na execução de melodias, alternaremos

o indicador e o médio, e para o acompanhamento com dedilhado, ou batida, utilizaremos todos os dedos.

Na guitarra utiliza-se a palheta, que pode ser usada no violão também.

Aconselha-se manter sempre as unhas da mão direita mais compridas e lixadas, para dar mais brilho no toque.

CIFRA / TABLATURA

Cifra é um padrão mundial de escrita das notas musicais. As notas que vimos a pouco serão agora representadas por letras. É essencial que se tenha isso decorado. Os acidentes são escritos depois da letra. Exemplos abaixo .

DO - C RÉ - D MI - E FÁ - F SOL - G LÁ - A SI - B

Quando houver acidente teremos : C#, D#,Bb etc...

tablatura é um sistema de escrita simplificado para violão, guitarra e baixo. Teremos 06 linhas que correspondem às cordas, sendo a primeira linha a primeira corda, e os números correspondem às casas onde as notas devem ser tocadas. Os números que aparecem fora das linhas, são os dedos que se deve utilizar (digitação). Exemplo:

 


Toque a terceira corda solta; na casa 2; a segunda corda solta; na casa1; na casa 3; a primeira corda solta; na casa1 e na casa 3.

A partir de agora tudo virá escrito em cifras e tablatura.

ESCALA

Escala é uma sucessão de sons que se distribuem em tons e semitons. A escala pode ser Cromática (quando tocada em semitons) e diatônica (quando tocada em tons e semitons).

O estudo constante das escalas contribuem efetivamente para o desenvolvimento auditivo; conhecimento das posições das notas em todo o braço e o desenvolvimento mecânico das mãos.

Devemos ter em mente que toda melodia está baseada sempre em algum tipo de escala.

Existem vários tipos de escala, mas estudaremos a princípio a escala maior, que já mencionamos.

Independente de que nota se comece, a escala maior terá sempre a seguinte disposição de tons e semitons :

T T ST T T T ST

Temos abaixo as principais digitações ( modo como se posicionam os dedos no braço) da escala maior. A primeira tem tônica ( Nota que dá nome à escala) na sexta corda e a segunda tem a tônica na quinta corda. Nos exemplos abaixo a primeira escala é de G e a segunda de C. Se quisermos a escala de A por exemplo, é só tocar a mesma digitação da primeira escala começando da casa 5, onde é a nota A.

Portanto sabendo de cor as digitações, podemos tocar as 12 escalas maiores por todo o braço.


 

 

INTERVALOS

Intervalo é a diferença de altura entre dois sons. Se tocarmos um C e um E por exemplo, haverá um intervalo de 2 tons entre as duas notas. Tocadas ao mesmo tempo, teremos um intervalo harmônico; se tocadas uma após a outra teremos um intervalo melódico. A nomenclatura do intervalo é denominada de acordo com o número de notas existente entre a primeira (inclusive) e a última (inclusive). Ex: entre o C e o E há 3 notas ( o C, o D e o E), portanto este intervalo é chamado de terça. Entre o C e o A o intervalo será de  sexta, e assim por diante. Além da classificação numérica (segunda, terça, etc.), os intervalos possuem uma classificação qualitativa, referentes a semitons que podem ser adicionados ou subtraídos do intervalo. A saber: Maiores, Menores, Justos, Diminuídos e Aumentados. Os dois grupos básicos são os Maiores e os Justos, sendo as outras denominações decorrentes de alterações de semitom nos dois grupos. Importante: um intervalo Maior nunca será Justo e vice-versa. Observe abaixo o que acontece quando um intervalo é alterado:

1 Semitom Acima Aumentado Aumentado
INTERVALO MAIOR JUSTO
1 Semitom Abaixo Menor Diminuido


Ex: O intervalo do C para o E é de terça Maior. Se alterarmos o E para Eb, o intervalo passa a ser de terça Menor, pois ele perdeu um semitom. Se alterarmos o E para E#, o intervalo ganha um semitom e passa a ser terça Aumentada. Vejamos agora os intervalos na escala maior, onde distinguiremos onde estão os intervalos Maiores e Justos. Lembrando que este exemplo, na escala de A, se repete nas outras 11 escalas :

 GRAUS I II III IV V VI VII VIII
 NOTAS A B C# D E F# G# A
 INTERV.   2M  3M 4J 5J 6M 7M 8J
 INT.2ª 8va.   9M 3M 11J  5J 13M 7M  8J


 

 

Observe que na segunda oitava 3 intervalos mudam de nome, e os demais permanecem inalterados. Na realidade não é comum no meio musical dizer intervalo de décima maior ou décima segunda justa. Os intervalos de 9ª, 11ª e 13ª são constantemente encontrados como dissonância nos acordes, como veremos adiante.

Temos então:

Intervalos MAIORES: 2, 3, 6 e 7

Intervalos JUSTOS : 4, 5 e 8

Vejamos agora os intervalos no braço do instrumento. Temos todos os intervalos nas duas digitações de escala maior.

 

O estudo dos intervalos é importante para o desenvolvimento do ouvido e essencial para compreender toda a teoria musical.

 

CICLO DAS 5as

O ciclo das 5-as. vai nos mostrar a ordem de aparecimento dos sustenidos nas escalas maiores. A partir de C maior, que não tem acidentes, pegamos sempre o quinto grau para formar a próxima escala, que ganhará um novo sustenido no sétimo grau.
As notas do sétimo grau que forem ganhando sustenidos, se repetem nas escalas posteriores. Teremos ao final a ordem das notas onde aparecem os sustenidos.

GRAUS I II III IV V VI VII VIII

NOTAS C D E F G A B C

1# G A B C D E F# G

2# D E F# G A B C# D

3# A B C# D E F# G# A

4# E F# G# A B C# D# E

5# B C# D# E F# G# A# B

6# F# G# A# B C# D# E# F#

7# C# D# E# F# G# A# B# C#

 

A ordem do aparecimento dos sustenidos, que foi no sétimo grau das escalas é:
( FA-DO-SOL-RE-LA-MI-SI)

Para saber quantos acidentes tem cada escala e quais são, proceda da seguinte forma:
1) Conte a partir de C, em quintas e descubra quantos acidentes tem a escala.

2) Se você procurou E por exemplo, já descobriu que ela tem 4 sustenidos. Para saber
quais são, basta ter decorado a ordem de aparecimento dos sustenidos e ver quais são
as quatro primeiras notas: FA-DO-SOL-RE.

3) E se você prestar atenção, vai reparar que a ordem das quintas, a partir de C, também está na ordem de aparecimento dos sustenidos. Portanto é fundamental decorar esta ordem.

IMPORTANTE : TODAS AS NOTAS NATURAIS, COM EXCEÇÃO DO FÁ, ESTÃO NO CICLO
DAS 5as.

CICLO DAS 4as

O ciclo das 4as. nos dará a ordem de aparecimento dos bemóis nas escalas maiores.
A partir de C Maior, pegamos o quarto grau para formar as próximas escalas, e os bemóis também aparecerão no quarto grau. Vejamos então:

GRAUS I II III IV V VI VII VIII

NOTAS C D E F G A B C

1b F G A Bb C D E F

2b Bb C D Eb F G A Bb

3b Eb F G Ab Bb C D Eb

4b Ab Bb C Db Eb F G Ab

5b Db Eb F Gb Ab Bb C Db

6b Gb Ab Bb Cb Db Eb F Gb

7b Cb Db Eb Fb Gb Ab Bb Cb


A ordem de aparecimento dos bemóis é:
(SI-MI-LA-RE-SOL-DO-FA)

Observe que é a ordem inversa dos sustenidos, portanto decorando a primeira ordem você já saberá esta.

 

Para saber quantos acidentes tem cada escala e quais são proceda da seguinte forma:
1) Siga a ordem até a escala que você procura e conte mais uma nota. Ex: Se você pro-
cura Eb, ela terá 3 bemóis, SI-MI-LA. Ë mais simples que os sustenidos.

 

ORDEM DOS SUSTENIDOS ( FA-DO-SOL-RE-LA-MI-SI )

 

ORDEM DOS BEMÓIS (SI-MI-LA-RE-SOL-DO-FA )

 

FORMAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DOS ACORDES


Quando ouvimos um intervalo harmônico (duas notas tocadas simultaneamente) já podemos o analisar como um acorde. Os acordes são formados por um empilhamento de terças a partir de uma tônica, que chamamos de tríade. O acorde de C, por exemplo, é formado pelas notas C, E e G. C é a tônica, E terça de C e G terça de E. Se continuarmos a empilhar as terças, viriam o B, o D, etc., que são as dissonâncias acrescentadas à tríade.
As tríades se classificam da seguinte forma:

MAIORES - T 3 5

MENORES - T 3b 5

AUMENTADAS - T 3 5+

DIMINUTAS - T 3b 5b

SUSPENSAS - T 4 5

 

Nos acordes mais usados (maiores e menores) note que a única diferença é o intervalo de terça.


As dissonâncias são notas acrescentadas à tríade principal, que dão mais brilho ao acorde. Caso o acorde tenha muitas dissonâncias, podemos omitir a 5, mas devemos manter sempre a T e a 3. Vamos a um exemplo: Temos um acorde de G, com pestana, na 3 casa da 6 corda; vamos transformar este acorde: G menor com 7 e 9. Primeiro- a terça deve ser deslocada um semitom para trás para o acorde ficar menor: tire o dedo dois da digitação. Segundo- para colocar a sétima vamos tirar uma das tônicas do acorde (lembrando que esta digitação possui três tônicas e podemos omitir duas); tire o dedo quatro da digitação. Terceiro- para colocar a 9 vamos omitir outra tônica do acorde; coloque o dedo quatro na primeira corda, quinta casa (nota A). Neste caso não foi necessário omitir a 5 do acorde.
As dissonâncias mais comuns são a 7, 7M, 9 e 13. Antes de ver algumas digitações analisadas, é necessário abordar como cifrar os acordes:

C - acorde maior
Cm - acorde menor
C maj7, C 7+ ou C 7M - acorde maior com sétima maior
C 7 - acorde maior com sétima (menor)
C sus - acorde suspenso
C + - acorde aumentado
C o - acorde diminuto
As demais dissonâncias, quando aparecem sem sinais são maiores ou justas.
Quando aparecer o sinal - ou b, a dissonância é menor ou diminuída.
Quando aparecer o sinal + a dissonância é aumentada (com exceção da sétima, como vimos acima)
Exemplos:
Em6 - Mi menor com sexta
A 7/9+ - Lá com sétima e nona aumentada
G 7/13b ou G 7/13- - Sol com sétima e décima terceira menor

TONALIDADE E FUNÇÃO DOS ACORDES

Como já vimos, uma melodia costuma se desenvolver utilizando as notas de uma escala .
Os acordes que acompanham esta melodia são formados das mesmas notas da escala (este conceito tradicional de harmonia é pouco utilizado hoje em dia, onde a harmonização das músicas é mais livre, sem prender-se em regras específicas, porém isto depende muito do estilo musical) e cada acorde tem função específica na música. A esse conjunto de funções dos graus da escala e dos acordes sobre eles formados, dá-se o nome de tonalidade. O tom da música recebe o nome da escala que é construída a melodia. Por exemplo: Se a melodia de um trecho musical foi construída sobre a escala de Bb, dizemos que a tonalidade deste trecho é de Bb, ou que este trecho "está" em Bb.
Cada nota da escala maior também gera uma nova escala, criando desta maneira 7 modos (7 maneiras diferentes de você tocar a mesma escala maior), que se chamam modos gregorianos. Cada modo possui um nome, e gera um tipo de acorde. Os acordes gerados pelos modos formam o Campo Harmônico Maior.

CAMPO HARMÔNICO DE A MAIOR

Independente da escala em questão, um Campo Harmônico Maior gera sempre os mesmos tipos de acordes para cada grau:

Imaj7 IIm7 IIIm7 IVmaj7 V7 VIm7 VIIm7/5-

As funções principais estão nos graus I, IV e V (acordes maiores) que são:

Grau I - TÔNICA - Função de repouso, resolução (geralmente é o primeiro e o último acorde da música)
Grau IV - SUBDOMINANTE - Ë um acorde de meia tensão, geralmente ponte entre os graus I e V
Grau V - DOMINANTE - Função de tensão, é o acorde que pede resolução.

Os demais acordes (menores) são relativos dos três principais, ou seja, podem substituir os acordes maiores, obedecendo as mesmas funções tonais:

Grau IIm - relativo do IV
Grau IIIm - relativo do V
Grau VIm - relativo do I
Grau VIIm5- - relativo secundário do V

Chamamos de relativos os acordes que possuem notas em comum. Por exemplo: O acorde de C possui as notas C, E e G, e seu relativo menor (Am) possui as notas A, C e E e se acrescentarmos a sétima ele passa a ter a nota G também. Todo acorde maior tem seu relativo menor e vice-versa. Os relativos menores são sempre o sexto grau da escala do acorde maior (como no exemplo acima C e Am) e o relativo maior dos acordes menores é o inverso, ou seja, o terceiro grau menor da escala do acorde menor (modo eólio). Por exemplo: o relativo maior de C#m é E (Terça menor do acorde de C#m).
Portanto, na prática, as músicas tonais são sempre formadas pelas 3 funções - Tônica, Subdominante e Dominante - mas os 3 principais acordes são constantemente substituídos por seus relativos.


 

Na música atual é muito comum termos mais de uma tonalidade na mesma música(o que chamamos de modulação ), ou ainda composições onde os acordes são escolhidos aleatoriamente, combinando com as notas de repouso e com os trechos melódicos (o que chamamos de música modal).
Veremos agora as dissonâncias que podem ser acrescentadas em cada acorde do Campo Harmônico:

Grau I - 7M, 9 e 6
Grau II - 7, 9, 6 e 11
Grau III - 7 e 11
Grau IV - 7M, 9, 6 e 11+
Grau V - 7, 9 e 13
Grau VI - 7, 9, 11 e 6b
Grau VII - 7, 9b ou 11 (este acorde já possui 5- )

 

Independente dos acordes usados, toda música possui as três funções harmônicas. Mais importante do que analisar de onde vêm os acordes, ou porque tal acorde foi utilizado, é conseguir reconhecer pelo ouvido as funções, o que dá ao músico incrível liberdade, principalmente na hora da improvisação. O treino do ouvido musical (percepção) é tão importante (senão mais) quanto o estudo teórico e prático, e deve ser levado à sério tanto quanto os outros. E lembre-se: a única maneira de se tornar um bom músico é tendo disciplina e regularidade de estudo, para que você possa sempre estudar simultaneamente um pouco de cada área e crescer por igual.

 


 

 

 

--------------------------------------------------------------------------------

---------------------->>MUSIC'S PAGE<<----------------------
*******************************************************
Truques & Macetes para Solos

       Para quem já tem um certo nível de aprendizagem este método servirá para aprimorar ainda mais o seu desenvolvimento musical, e quem sabe, até lhe tirar algumas dúvidas quanto à técnicas. Mas para quem não sabe ainda solar, este é o maior estudo de solo que você não pode passar nem se quer um segundo sem executar cada exercício.

       A seguir você verá que destaco as mais variadas formas de incrementar seus solos, além do mais explico cada passo dos truques, ou seja, como aplicá-los, onde aplicá-los e desvendo para você numa forma simples a estrutura de cada frase.

       Tudo isso é para ser aproveitado e executado nas mais diversas situações.

       Para começar nosso estudo coloquei no Ex. A1 uma seqüência ascendente dentro da escala de C, mas esta seqüência possui algo de comum em cada bloco de notas. Observe que cada bloco contém 2 grupos, sendo o primeiro grupo constituído das notas G-A e o segundo grupo A-G. Visivelmente é bem notável que o segundo grupo é a repetição do primeiro, porém invertido e além do mais num intervalor de oitava "acima".


G - A
2M ascendente

A - G

uma oitava acima "invertida"


       A princípio seria essa a estrutura deste simples truque. É importante conhecer bem as oitavas de todas as notas (no braço da guitarra), no Ex. A1 destaco inversões ascendentes na escala de C em 3 oitavas, na qual será muito usado no decorrer do estudo.
Este truque funciona muito bem e dá um ótimo resultado na resolução do solo, mas isso não quer dizer que não pode ser modificado, podemos ainda incrementar mais.
No primeiro bloco do Ex. A1 as duas primeiras notas do grupo possuem um intervalo de 2M (Segunda maior G-A), porém este intervalo poderá ser alterado (terça maior; quarta justa etc.) ou até mesmo ser invertido (ascendente ou descendente). Pegue o Ex. A2 e observe que os grupos são descendentes e (em relação um ao outro) não foram invertidos, somente executados repetitivamente com uma diferença de oitava, observe também que o truque foi feito com uma divisão rítmica que se encaixa do quarto tempo do 1º compasso para o primeiro tempo do 2º compasso (ponto 1), em fim, os grupos neste exemplo são descendentes, isso prova que é possível inverter a seqüência de ascendente para descendente.


A - G
2M descendente

A - G

uma oitava acima "idêntica"

       Neste mesmo exemplo temos no terceiro compasso a execução deste mesmo truque, porém em outra divisão rítmica numa seqüência ascendente com intervalo de Terça maior (ponto 2).

       Já neste caso os grupos tornaram a ser invertidos, o primeiro grupo ascende e o segundo descende, também é alterado o intervalo dos mesmos "uso uma terça maior".


F - A
3M ascendente

A - F

uma oitava acima "invertida"

       Independente de qual seja o intervalo das notas pode-se aplicar o truque.

       É importante salientar-mos um pouco sobre a divisão. Veja que no ponto 2 o "F" é anacruze do segundo tempo, onde o terceiro tempo é dividido pela execução de duas notas "A" com duração de colcheias numa diferença de uma oitava ascendente, até cairmos novamente num tético "F" com intervalo (distância) de uma oitava do primeiro (observe a PARTITURA).


 
       No Ex. A3 temos o truque dispensado em tercinas na qual dá um ótimo e perfeito resultado (ponto 3), observe que o truque preenche o terceiro e quarto tempos do compasso e é executado por quatro sons, sendo estes sons tirados de apenas duas notas: C - D e D - C, porém o primeiro C possui um tempo de semínima, restando apenas três notas na qual foi aplicado a tercina.

       Este tipo de divisão funciona muito bem, embora não se destaca muito o movimento do truque, pois passa pelas notas com um tanto de obscuridade, tanto é que se na execução deste truque (nesta divisão) não estiver-mos ligados no sentido melódico do solo, é capaz de passar por nós sem perceber-mos que foi executado tal truque. Podemos esclarecer ainda mais, observe que a maior parte das notas do truque são executadas em tempo rápido, ou seja, as três últimas notas do truque são executadas em apenas um tempo (tercinas), e é isso que deixa um tanto de dificuldade para desvendar-mos tal truque.

       Mas com tudo isso torno a dizer que o truque em tercinas funciona muito bem porque a tercina conclui o truque, pois após o primeiro C é completado o restante do truque, não dando tempo para apoiar-se em alguma nota do mesmo, restando a seguir somente outro ponto na qual deve apoiar-se para harmonizar com a base do solo. Neste mesmo exemplo encontramos o truque começando já em tercinas (ponto 4), já neste caso o truque usa o último A para apoiar-se num tempo de mínima. Se observar-mos bem o ponto 4 tem uma função de finalização, veja que a frase acaba no A grave, usei o truque neste caso somente para não deixar um final vazio, dando término na mesma nota, ainda podemos concluir neste caso que o truque foi usado somente como uma forma de chegar-mos até outra nota "A".


A - C
3m

C - A

oitava acima (invertido)


       Seria muito bom se analisar-mos ainda mais este ponto. Veja que as três primeiras notas são tercinas, restando então apenas a última nota (A) para apoiar-se, sendo esta nota integrante do truque. Se ainda formos mais além veremos também que o intervalo do grupo foi alterado, usei uma terça menor (3m), ascendendo as duas primeira notas e descendendo as duas segunda notas. Quero somente te alertar que ao usar notas de apoio para harmonização do solo com a base, é necessário ter em mente a tríade do acorde na qual esta sendo usado no momento do solo, pois bem, o ponto 4 escrevi em cima do acorde Am7, e obviamente deveria apoiar-se em uma das notas triádicas de Am7, na qual usei a própria tônica do acorde num tempo de mínima.

       A seguir temos ainda no Ex. A4 o truque executado mas na ordem inversa das notas, também dá um bom resultado, embora é menos percebido ainda, mas não deixa de ser um bom argumento para incrementar seu improviso. Usei neste caso (ponto 5) um intervalo de oitava justa e inverti os grupos, ou seja, um grupo ascende oito notas e outro descende oito notas.


C - C
ascende oito notas

B - B

descende oito notas

       O truque é dispensado em colcheias que ao iniciar puxa logo um C anacruze (ponto 5) do terceiro tempo do compasso e ao terminar rouba uma colcheia do segundo compasso (nota B), e o mesmo desenho adaptei no final do segundo compasso (ponto 6), e por isso digo que todo truque, macete ou técnica aprendida tem muito valor para um guitarrista (músico em geral), você poderá até concretizar um bom e perfeito solo na qual usa somente truques de seqüência, de divisão rítmica ou até de digitação, basta pegar toda essa matéria e valorizar o conteúdo e estudar diferentes aplicações destas inversões nas mais diversas tonalidades, não fique somente nestes exercícios, crie os seus !

 

--------------------------------------------------------------------------------

---------------------->>MUSIC'S PAGE<<----------------------
**************************************


DICAS DE ESTUDOS

 

 Recomendação - Procure sempre um lugar calmo e quieto para estudar, e não use nenhum tipo de efeito na guitarra, pois, os efeitos podem mascarar seus erros. Execute tudo bem devagar até que você decore as digitações, depois, vá aumentando a velocidade gradativamente até o seu limite. Se possível, utilize um metrônomo durante o estudo. Quando você errar, não continue do ponto onde parou, recomece o exercício desde o início sempre, isto garante que você supere o erro e fixe melhor todo o movimento. Nunca desanime, lembre-se, ninguém nasceu sabendo.

 Escalas - O aprendizado de escalas é muito importante para o seu desenvolvimento como guitarrista. Ao estudar uma escala, tenha em mente que o principal é a digitação. Uma mesma escala pode ser usada em vários pontos do braço, por exemplo, a escala natural de " F ", você pode executar a sua digitação começando por qualquer casa do braço, basta respeitar os intervalos e estará correto. Qualquer outra escala pode ser usada da mesma maneira, não importando qual seja. Execute as escalas sempre em vários pontos do braço, isto dará a você uma gama maior de estilos para explorar. Consulte a régua de escalas e você terá uma boa idéia de como se utilizar destes recursos.

 Exercícios - Pratique os exercícios sempre lentamente, e depois vá aumentando a velocidade. Para se tocar rapidamente, o segredo é praticar bem devagar. Desta forma, você aprenderá melhor todas as digitações propostas e conhecerá mais profundamente o braço do instrumento. Praticando lentamente e aumentando a velocidade gradativamente é a melhor maneira de se adquirir velocidade. Existem exercícios específicos para você praticar, escolha o que vier de encontro às suas dificuldades e vá passando de um para outro até se sentir satisfeito com a sua performance, não importa a ordem, o importante é que você faça todos eles corretamente.

 Licks - Os licks são pequenos pedaços de solos, pratique-os até a exaustão, quanto mais melhor. Comece sempre lentamente, execute o lick até conseguir decorá-lo, depois aumente a velocidade até o seu limite. Com o tempo você conseguirá tocá-lo rápida e perfeitamente. Uma boa dica é você tentar compor os seus próprios licks. Demora um pouco para você conseguir, mas desta forma, a prática vai levar você a fazer licks facilmente, e tirar deles boas idéias para seus solos.
 
///////////////////////////////////////////////////


ORGANIZE SEU TEMPO

 

 Você pode imprimir esta página e tirar cópias para montar sua planilha pessoal de estudo.

 Esta "Planilha de Estudo" foi desenvolvida para ser um guia que pode variar de pessoa para pessoa, dependendo de seu nível de habilidade, aptidão para aprender e tempo disponível para praticar. A idéia principal é oferecer um plano de estudo organizado com objetivos definidos.

 Sugestão: 3 horas por dia, 5 dias por semana.

 Sempre antes de cada sessão, devem ser realizados 5 a 10 minutos de exercícios de aquecimento.

Assunto
 Tempo recomendado
 Seu tempo
 
Notas no braço do instrumento
 15 min.
  
Escalas
 15 min.
  
Pausa 5 min.  
Estudo de intervalos 15 min.  
Arpejos 15 min.  
Pausa 5 min.  
Acordes 15 min.  
Leitura 30 min.  
Pausa 5 min.  
Improvisação
Tocar/ouvir músicas 50 min.  
Tempo total: 2 h e 50 min  


 O tempo dedicado a cada um dos tópicos pode variar de acordo com as habilidades de cada indivíduo, entretanto aconselha-se manter o tempo dedicado ao estudo de leitura.

 Lembre-se, estude com disciplina. Perseverança é a chave do sucesso.
*********************************


A IMPORTÂNCIA DA TÉCNICA

 

 Hoje em dia existe uma grande controvérsia com relação a técnica/feeling de um músico. É realmente verdade que um cara que tem uma técnica muito apurada não tem feeling o suficiente e vice-versa? Qual a verdadeira importância de se ter uma boa técnica?

Imagine a seguinte situação: você está no palco tocando e na hora do solo, você se inspira e começa a ouvir dentro de sua cabeça um solo maravilhoso. As primeiras notas bem compridas, com um feedback orgásmico. Então você toca o que você escuta. Fica muito legal... você se empolga, a banda também, o público adora. Depois, você começa a ouvir umas frases pentatônicas e, graças as vídeo-aulas que você comprou e ao tempo gasto utilizado para estudar aquelas frases o som sai bacana. Mais uma vez, você se empolga e junto vão o público e a banda, que agora passa para um groove mais pesado, crescendo junto com seu solo. Ouvindo o som da banda crescendo, agora a tua cabeça começa a ouvir umas frases com uma avalanche de notas rápidas, acrescentadas com uns toques de wah-wah (aquele que você acabou de comprar e estava doido para estrear), usando muito a alavanca para esticar as cordas até a morte, uma verdadeira explosão.

Pois é, na cabeça estava tudo fácil. Mas na hora de botar em prática... a mão esquerda não acompanhou, a palhetada falhou, os arpejos não saíram, deu tudo errado. A capacidade física não foi suficiente para botar para fora toda aquela musicalidade que há em você.

Talvez essa seja a resposta do verdadeiro motivo para se ter uma boa técnica: usá-la para conseguir executar a música que esta em você. Ter mãos preparadas para pôr pra fora, através do seu instrumento, toda a sua musicalidade, ou seja, tudo aquilo que faz parte de seu mundo musical.
****************************************************


HARMONIA FUNCIONAL

 

 Formação da Escala de Acordes (Tons maiores e menores)


Tônica / 3ª / 5ª / 7ª (sempre tomando por base o Tom da música)

 

 Escala Maior - Qualquer Tom


1ª MAIOR / 2ª menor / 3ª menor / 4ª MAIOR / 5ª MAIOR c/ SÉTIMA / 6ª menor / 7ª menor c/ 7ª e 5ª bemol


Exemplo:


C7+ / Dm7 / Em7 / F7+ / G7 / Am7 / Bm7/5b

 

 Escala Menor Natural - Qualquer Tom


1ª menor / 2ª menor c/ 7ª e 5ª bemol / 3ª MAIOR / 4ª Menor / 5ª Menor c/ SÉTIMA / 6ª MAIOR / 7ª MAIOR


Exemplo:


Am7 / Bm7/5b / C7M / Dm7 / Em7 / F7M / G7

 

 Escala Menor Harmônica - Qualquer Tom


1ª menor c/ 7ª MAIOR/ 2ª menor c/ 7ª e 5ª bemol / 3ª MAIOR com 5ª sustenida / 4ª c/ sétima / 5ª c/sétima / 6ª MAIOR / 7ª Diminuta


Exemplo:


Cm7M / Dm7/5b / Eb7M/5# / F7 / G7 / Ab7M / Bº

 

 Escala Menor Melódica - Qualquer Tom


1ª menor c/ 7ª MAIOR/ 2ª menor c/ sétima / 3ª MAIOR com 5ª sustenida / 4ª c/ sétima / 5ª c/sétima / 6ª menor c/ 7ª e 5ª bemol / 7ª menor c/ 7ª e 5ª bemol


Exemplo:


Cm7M / Dm7 / Eb7M/5# / F7 / G7 / Am7/5b / Bm7/5b

 

 Exemplo de Análise harmônica


C7+/9 / Am7/4 / Dm7/9 / Gsus4  ou  G7/4/9
I 7M(9) à VI 7/4 à II 7(9) à V 7/4/9

 

 Lembre-se:


Os conceitos aqui aplicados sobre "harmonia funcional", devem ser praticados em todas as tonalidades.
************************************************


 

 

 
 

 

 

 
 


 

 

 
 

 

 
 

 


 
 

VEJA TAMBÉM:

COMENTÁRIOS:

Este documento não possui comentários. Prestigie quem o enviou e comente.

Comentar:

Título:
Autor:   Anônimo (Efetue login para comentar identificado)
Comentário:    

OPÇÕES

ENTRE COM SEU LOGIN E SENHA

Olá visitante! Para interagir com este documento, você precisa estar logado.

Login:
Senha:  
Salvar Dados  |  Cadastre-se!

O cadastro é gratis! É muito fácil e rápido fazer o seu cadastro.

Home | Termos de Uso | Sobre o Tutomania | Publicidade | Contato
2005 - 2013 ® Tutomania.